Contato com o Morhan inspira jornalista a escrever livro sobre o isolamento compulsório de pessoas atingidas pela hanseníase no Brasil

Contato com o Morhan inspira jornalista a escrever livro sobre o isolamento compulsório de pessoas atingidas pela hanseníase no Brasil

LANÇAMENTO

n

Contato com o Morhan inspira jornalista a escrever livro sobre o isolamento compulsório de pessoas atingidas pela hanseníase no Brasil

n

 

n

Lançamento do livro no Rio de Janeiro integra a programação da Semana de Mobilização, Conscientização e Combate à Hanseníase

n

 

n

A repórter Manuela Castro está lançando “A Praga”, pela editora Geração, um livro que analisa o isolamento e o preconceito em torno da hanseníase no Brasil – doença que até algumas décadas atrás era chamada de “lepra”, uma palavra atravessada por estigma e desconhecimento. A inspiração para o livro começou em 2013 quando a repórter, da TV Brasil, conversou com Artur Custódio, da coordenação nacional do Movimento de Reintegração de Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan), em Brasília. A partir deste diálogo, ela descobriu realidades das antigas colônias de isolamento e as histórias de pessoas que tiveram a vida totalmente modificada em função da política que imperou no país até a década de 1980.

n

 

n

O primeiro fruto deste encontro com o Morhan foram histórias divulgadas no programa Caminhos da Reportagem, da TV Brasil, no episódio “Hanseníase, a história que o Brasil não conhece”. O programa foi agraciado com o prêmio Jornalista Tropical e com a Menção Honrosa do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Casas de Saúde do Município do Rio de Janeiro por este trabalho. Desde então, Manuela passou a trabalhar no livro, que conta com ilustrações e depoimentos a realidade das famílias desintegradas, das práticas desumanas e do preconceito.

n

 

n

O texto de apresentação da obra, assinado pela também jornalista Daniela Arbex, esclarece algo que o Morhan vem pautando há bastante tempo – a verdadeira “praga” não é a doença, mas outra coisa:

n

 

n

“Quando o silêncio e o preconceito se unem o resultado é a chaga do esquecimento. Neste livro, Manuela Castro dá visibilidade ao drama de brasileiros que foram condenados à exclusão por causa da hanseníase, doença que atravessou a vida de milhares de pessoas, criando um abismo entre elas e suas famílias. Ao resgatar o drama dos leprosários no Brasil, a jornalista desvenda uma realidade surpreendente, na qual o mal não é a doença, mas a forma de a sociedade lidar com ela”.

n

 

n

Lançamento

n

No Rio de Janeiro, o livro contou com um pré-lançamento especial durante o I Seminário Estadual de Mobilização e Combate a Hanseníase, realizado nesta segunda-feira (7). O lançamento oficial será nessa terça-feira, 8 de agosto, a partir das 19 horas, na Livraria Saraiva, do shopping Rio Sul – Rua Lauro Müller, 116. Ambas as atividades integram a programação da Semana de Mobilização, Conscientização e Combate à Hanseníase, da qual o Morhan é parceiro junto com a SES-RJ e diversas outras entidades.

n

 

n

 

n

Saiba mais sobre a semana no link: https://goo.gl/8ph1Mg